Na óptica dela #2

Eco no tempo

Nenhum jogo ou ambiente é igual e é esta ânsia de assistir e presenciar algo inédito que nos motiva a viver o futebol em geral, e em particular, o Benfica. Há sempre algo que surpreende, uma demonstração de força e de grandeza que se pode manifestar de tantas formas.

Olho para imagens e vídeos dos momentos finais do último jogo e não tenho dúvidas de que quem foi a Setúbal sentiu Benfica na pele e viveu momentos arrepiantes…

 

Vit-Setubal-x-SLBenfica-R.Jimenez

 

Um verdadeiro teste à nossa capacidade de sofrimento e superação, tanto dos jogadores como dos adeptos. O momento em que aquela meia-lua vermelha e branca explode de alegria e se “ilumina” é a plena demonstração do que é ter na alma a chama a imensa.

Sente-se, mais do que nunca, o fervor de ver o Benfica pentacampeão. Somos, finalmente, líderes do campeonato e estamos na luta. Após jornadas conturbadas que davam o objetivo principal como perdido, dependemos só de nós para viver esse momento tão sonhado e não podemos vacilar. Segue-se mais um jogo, mais uma final e o Inferno da Luz tem de dizer «presente» com todo o seu esplendor.

Os jogadores e a equipa técnica fazem a sua parte, mas nós como adeptos temos um papel importantíssimo a desempenhar: estar lá, seja onde for. Por isso, todos precisamos de nos transcender não só nas finais que faltam, mas sempre.

 

Em qualquer parte do país e do mundo, sejamos estandartes deste orgulho e gritemos bem alto o nome Benfica que ecoa eterno no tempo.

 

Na óptica dela por

Ana Sofia Figeiredo

Twitter: @anasofiafig

Comentários