Na óptica dela #1

Ponto de partida

Num projeto de benfiquistas para benfiquistas, o Sérgio convidou-me para escrever, claro está, sobre o Benfica. Aceitei prontamente. Sempre foi um sonho meu, desde os rascunhos que fazia e, corajosamente, enviava para a revista Mística para serem publicados. Alguns foram, outros nunca saíram do baú.

Volvidos muitos anos, volto a pegar na caneta e no papel (sim, sou old school) para expor a minha versão das histórias e dos acontecimentos, a minha perspetiva sobre o presente e o futuro do Benfica.

Uma visão distinta, especialmente por ser um olhar feminino.

Sou do Benfica desde sempre, mas há um momento que considero ser o «ponto de partida» para um modo de vida repleto de memórias inesquecíveis e momentos únicos, acompanhados de dificuldades e sofrimento, mas de muitas alegrias e aventuras.

Tudo mudou numa bela de tarde de domingo em maio de 2004. A final da Taça de Portugal contra o FC Porto é a memória mais antiga que desperta um amor inexplicável. Lembro-me de sofrer durante o jogo todo e, ao mesmo tempo, sentir uma enorme vontade de ver o Benfica ganhar. Recordo-me, ainda, da explosão de alegria quando o Simão cabeceia para o fundo da baliza portista e nos dá a tão desejada vitória.

Imaginem a felicidade vivida por uma menina de dez anos que tinha sofrido e rezado o jogo todo para ver o Benfica conquistar a taça. Conseguem imaginar? É-me difícil transmitir por palavras. Marcou-me muito. Senti que com o Benfica me podia transcender e levar a viver momentos que nada mais no mundo me poderia dar.

Quis voltar a sentir todas aquelas emoções e foi assim que, a partir daí, a minha vida seguiu em função do Benfica.

Olho para trás e reconheço que tudo valeu a pena. Hoje tenho mais vontade que nunca de viver o Benfica na sua plenitude, convivendo e aprendendo com aqueles que, a cada jogo, me fazem sentir em família.

A menina cresceu e hoje é uma mulher feliz a cantar e a vibrar nas bancadas de estádios e pavilhões pelo país.

Isto porque o Benfica corre nas veias de todos aqueles que percorrem Portugal e o mundo pelo simples orgulho de fazerem parte deste clube incomparável.

 

Na óptica dela por

Ana Sofia Figeiredo

Twitter: @anasofiafig

Comentários