“O reerguer das cinzas”

Imediatamente após a saída de Rui Vitória a discussão sobre quem seria o seu sucessor e como se daria o nosso treinador interino começou. Dois assuntos falados repetidamente e com nenhuma resposta conclusiva.

Se é verdade que foram aparecendo vários nomes associados ao Benfica e que os adeptos foram sonhando com tantos outros, também é verdade que há quem defenda que o treinador interino, Bruno Lage, proveniente da equipa B, deveria permanecer até ao fim da época.
Sou defensora da permanência de Bruno Lage.
“Sou defensora da permanência de Bruno Lage”
Estamos num mês complicado em questões de jogos para mudarmos de treinador novamente e obrigar os jogadores a esquecerem as táticas anteriores e adaptarem-se a novas ideias de jogo constantemente. E, além disso, Bruno Lage parece-me uma boa aposta. Todos sabemos o seu percurso na formação do Benfica e, se havia dúvidas quanto ao seu valor, foram praticamente esquecidas depois do jogo com o Rio Ave.
“Todos sabemos o seu percurso na formação do Benfica”
É verdade que não podemos dar todo o mérito da vitória contra o Rio Ave ao Bruno, mas também não lhe podemos dar demérito nenhum. Usou o tão sagrado 4-4-2. Apostou em João Félix (na sua posição!) e em Seferovic. Ainda lançou Ferreyra na partida mesmo estando a ganhar e aproveitou para dar uns minutos de jogo a Krovinovic (e atenção, não esperou pelos 15 minutos finais para fazer substituições, estranho). Além de tudo isto, ainda chegou à Conferência de Imprensa e falou de… futebol. Vá-se lá entender esta coisa rara que aconteceu. Há quanto tempo não víamos um treinador a falar de futebol numa CI? Até estranhamos uma cena tão deliciosa.
Se há coisas a melhorar no futebol do Benfica? Há. Claro que há. Especialmente naquela defesa. Mas tendo em conta que Lage só fez dois treinos com a equipa, as melhorias foram notórias.
“Há quanto tempo não víamos um treinador a falar de futebol numa CI?”
Agora é esperar e ver se aparece um novo treinador ou se Lage subiu para ficar. Caso venha outro, que não seja Jorge Jesus, Vítor Pereira nem Mourinho.
Abel Ferreira, Marco Silva ou Leonardo Jardim seriam os meus predilectos. Isto mantendo-me no critério de treinadores portugueses, claro.
Teremos a resposta a todas as nossas dúvidas aparentemente.
Fica Lage? Ou vem outro treinador? Só o tempo o dirá. Literalmente.
Mas quem quer que seja que receba o comando técnico da equipa, que tenha a capacidade de melhorar a nossa situação. O campeonato está difícil mas ainda há taças e uma Liga Europa para podermos conquistar. E só dependemos de nós.
“E só dependemos de nós”
Que a nossa águia se transforme numa Fénix. E que o nosso Benfica se reerga das cinzas. Amém!
Texto by: Diana Araújo.
Instagram: @dianaaraujo50

Comentários